Caros leitores e leitoras.

segunda-feira, 10 de julho de 2017

Pesquisa avalia credibilidade popular da imprensa

Coletiva no Senado; Foto de Chico Sant'Anna
Segundo a pesquisa, 60% dos brasileiros acreditam nas notícias que leem ou ouvem.


Publicado originalmente em O Estado de S.Paulo, em 10 de Julho de 2017

Levantamento realizado pelo Instituto Reuters para o Estudo do Jornalismo, vinculado à universidade inglesa de Oxford, revela que os cidadãos continuam confiando nos meios de comunicação para se manterem informados. 
Intitulada Relatório de Jornalismo Digital 2017, a pesquisa também mostra que o Brasil é um dos países em que essa confiança é mais acentuada. 
Segundo ela, 60% dos brasileiros entrevistados afirmaram que acreditam nas notícias que leem ou ouvem e que reconhecem a responsabilidade das empresas na filtragem das informações que veiculam.

Ao todo, foram entrevistadas mais de 70 mil pessoas, num total de 36 países. A média de confiança nos meios de comunicação entre os países pesquisados foi de 43%. O país em que o nível de confiança é mais alto é a Finlândia, com 62%, seguido pelo Brasil. Os índices de confiança também são expressivos em Portugal, Polônia e Holanda. Nos Estados Unidos, o índice é de 38%. Entre os países em desenvolvimento, a Coreia do Sul é o que registra um dos índices mais baixos, de 23%.

A tendência é de crescimento dos níveis de confiança. Levantamento realizado no ano passado com mais de 33 mil pessoas de 28 países, pela consultoria americana de relações públicas Edelman, mostrou que a confiança cresceu globalmente de 45%, em 2015, para 47%, em 2016. Esse foi o índice mais alto desde a eclosão da crise financeira de 2007-2008, quando 380 bancos de pequeno e médio portes quebraram e grandes instituições, como o Lehman Brothers, faliram. No Brasil, o índice pulou de 51% para 54%, entre 2015 e 2016.

Alertando para os efeitos das novas tecnologias sobre a qualidade da informação, a pesquisa mostra que 40% dos entrevistados consideram que as empresas de comunicação estão no caminho certo, criando blogs especializados para investigar a veracidade das notícias publicadas na internet. Revela, igualmente, o impacto negativo da proliferação de mensagens caluniosas e de notícias falsas - as chamadas fake news - nas redes sociais. Segundo a pesquisa, os aplicativos que têm ganhado mais espaço são os que permitem comunicação mais privada, como o WhatsApp. Já os aplicativos que utilizam algoritmos para definir quais informações terão maior visibilidade, como o Facebook, têm perdido espaço.

quinta-feira, 6 de julho de 2017

PressTV, TV iraniana em inglês, completa 10 anos de existência

Por Samaneh Kachui,da HispanTV


A rede de notícias iraniana, PressTV, que transmite via satélite para todo o mundo com programação em inglês, completa dez anos de existência. Embora o sinal seja gratuito, no Brasil, operadoras de TV Paga não oferecem o conteúdo aos seus assinantes. O canal segue o estilo "all news": informações  24 horas por dia.

Los medios de comunicación de la República Islámica de Irán transmiten la voz de los oprimidos. Con estas palabras del presidente de la Organización de la Radio y Televisión de Irán (IRIB, en inglés), Abdolali Ali Asgari, se ha celebrado el décimo aniversario del lanzamiento de la cadena de noticias PressTV.
A partir de la victoria de la Revolución Islámica de Irán en 1979 se lanzaron varias emisoras y canales televisivos con el fin de transmitir su mensaje; la lucha contra la opresión y por la justicia. Un esfuerzo para contrarrestar los intentos de los medios occidentales de difundir la iranofobia y la influencia cultural negativa en el país.
Lanzado en 2007, PressTV se ha convertido en un medio alternativo bajo el lema: “la noticia desde una nueva visión”. Hoy, tiene 50 corresponsales en diversas partes del mundo, y varios han caído mártires mientras cumplan su misión de ser “la voz de los sin voces del mundo”.

Leia também:


La cobertura de las noticias de la resistencia contra los ocupadores extranjeros en Oriente Medio, la revelación de las políticas dualistas de Gobiernos occidentales en apoyo a regímenes despóticos de la región, entre otros, han generado obstáculos para PressTV, no obstante, la audiencia de este estratégico canal iraní sigue aumentando.
Actualmente, en el servicio exterior de la IRIB, más de 40 emisoras y canales en casi todas las lenguas vivas están haciendo llegar al mundo la voz de la verdad, mostrando una cara de los eventos que mayormente es omitida por otros medios de comunicación internacionales.
Veja aqui o informe da HispanTV, outro canal público iraniano, este em espanhol.


quarta-feira, 14 de junho de 2017

Documentário registra o papel do rádio na libertação de Guiné-Bissau e Cabo Verde

Canhão de Boca é um documentário de 52 minutos, realizado por Ângelo Lopes e produzido por Samira Pereira, da produtora O2, que aborda a construção da liberdade em Cabo Verde a partir dos programas de rádio. 
No contexto de luta de libertação de Guiné-Bissau e Cabo Verde, Amílcar Cabral usava a expressão “Canhão de Boca” para se referir à Rádio Libertação como arma mais poderosa do que todo o arsenal de guerra que pudessem possuir.
A partir da experiência cabo-verdiana e com um olhar sobre o mundo, o documentário “Canhão de Boca” ficciona um programa de rádio com Amélia Araújo, uma das vozes da Rádio Libertação que deu corpo aos programas de difusão dos ideais da luta entre 1964 e 1973; e Rosário da Luz, voz que incorpora a informação crítica como luta da desconstrução contemporânea em Cabo Verde. As suas lutas são próprias de cada tempo, mas são, na sua essência, lutas comuns.
Hoje porque lutamos? Um dos maiores legados filosóficos da luta pela independência é o princípio de que, para sermos livres, precisamos pensar pelas nossas cabeças. Para isso, é essencial combater qualquer tipo de colonialismo e a nossa subjugação a este(s).
Este documentário elege a rádio, meio de comunicação e expressão vinculado à voz, como veículo da discussão contemporânea em torno da utopia da liberdade. A partir de eventuais confrontos, interessam as relações que o espectador reconstrua a partir do seu próprio pensamento.
O filme de Ângelo Lopes combina dois tempos: o presente e o passado históricos. O documentário conta com a participação de Amélia Araújo, a principal locutora e animadora da Rádio Libertação, emissora criada em 1967 e utilizada pelo PAIGC para difundir as suas ideias durante o conflito que opôs o Partido ao Exército Português na luta pela independência (1963/1974).

Além de Amélia Araújo, participam também do filme a economista e comentarista cabo-verdiana Rosário Luz e o diretor da Rádio Morabeza de Cabo Verde, Nuno Andrade Ferreira. 
CPLP
Canhão de Boca foi produzido e está sendo exibido no âmbito do programa CPLP Audiovisual, que tem o objetivo de estimular o intercâmbio cultural entre os povos dos países membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa. O programa busca apoiar o desenvolvimento, produção e difusão de telefilmes de ficção, baseados em adaptações audiovisuais de obras literárias nacionais, bem como a produção e teledifusão de documentários.
Ficha Técnica
Inédito 52 minutos Realização Ângelo Lopes Produção Samira Pereira Diretor de Fotografia Mamadou Diop Assistente de Câmara e Edição de Imagem Edson Silva D. Captação, Edição e Mixagem de Som David Medina  Sonoplastia Kisó Oliveira Correção de Cor Manuel Pinto Barros Investigadora Celeste Fortes Assistente de Produção Vanísia Fortes Assistente Administrativa e Financeira Aldina Simão Design Gráfico Oficina de Utopias.
Serviço:
Canhão de Boca  vai ser exibido pela TV Brasil no sábado (dia 17), às 23h30.

domingo, 11 de junho de 2017

A repercussão do "Ocupa Brasília" na mídia internacional

Portal do New York Times trouxe como manchete
“Presidente do Brasil convoca as tropas federais para reprimir protestos”


Na cobertura dos órgãos internacionais de imprensa sobre o “Ocupa Brasília”, no dia 24 de maio, destacam-se, por um lado, a violenta repressão e, particularmente, o decreto autorizando a utilização das Forças Armadas, que, como muitos jornais destacaram, não foi suficiente para conter as manifestações.
Por outro lado, e de forma mais significativa, praticamente jornais do mundo inteiro enfatizaram a crescente debilidade do governo Temer, os rachas em sua base aliada e a concreta possibilidade de que ele renuncie ou seja deposto através de um processo de impeachment ou como resultado dos processos que estão em curso na justiça eleitoral.
Em especial, chamam à atenção as análises feitas nos jornais e sites que enfatizam os aspectos econômicos. Nestes (vide particularmente os exemplos das agências Reuters e Bloomberg, abaixo), refletindo as preocupações do mercado e investidores estrangeiros, há comentários abertamente favoráveis ao afastamento de Temer, considerada a única de se conter a crescente instabilidade no país e, inclusive, de se garantir a aprovação das reformas exigidas pelos representantes do capital mundo afora.
A manchete da agência Britânica, que distribui notícias para todo o mundo,
foi sob a manchete “Temer, do Brasil, utiliza exército quando
manifestantes entram em batalha contra a polícia”. 
Reuters: Uma das principais agências de mídia do mundo noticiou a ocupação de Brasília sob a manchete “Temer, do Brasil, utiliza exército quando manifestantes entram em batalha contra a polícia”. E vale a pena reproduzir várias partes do artigo já que ele serviu como base para matérias publicadas em jornais do mundo inteiro.
Segundo a agência “manifestantes que exigem a renúncia do presidente brasileiro Michel Temer encenaram batalhas sem tréguas contra a polícia e atearam fogo em um prédio ministerial em Brasília na quarta-feira, levando o líder atingido por escândalos a mandar o exército para as ruas”.
Ainda segundo o texto, “a polícia disparou saraivadas de gás lacrimogêneo, granadas de atordoamento [de efeito moral] e balas de borracha para deter dezenas de milhares de manifestantes enquanto eles marchavam em direção ao Congresso para pedir a derrubada de Temer e o fim de seu programa de austeridade”.
Destacando que estes foram os protestos antigovernamentais mais violentos desde 2013, a Reuters afirma que a manifestação “forneceu mais combustível para a crise” detonada pelos escândalos de corrupção “que aumentaram as chances de que o Brasil assista à segunda queda de um presidente em menos de um ano”.
Como exemplo da crise política, a agência destacou que, enquanto os cordões policiais tentavam conter os manifestantes “o mais importante aliado de Temer, o PSDB, se encontrava para discutir se continua a apoiar o presidente e se preparar para uma transição pós-Temer”.
Mencionando que 49 pessoas foram feridas, o artigo relata que “Temer aprovou um decreto permitindo que as tropas auxiliassem a polícia a restaurar a ordem em Brasília (…) dando aos soldados poderes policiais e o direito de fazer prisões nas ruas”. Uma decisão que foi tomada pelo gabinete de Temer “depois de que a polícia foi subjugada”.
De forma bastante significativa, a Reuters utilizou como um dos subtítulos da matéria (ou seja, com destaque) a frase “Temer não está mais governando”, atribuída à analista política Sonia Fleury, da Fundação Getúlio Vargas, que também defendeu que a crise é profunda e que “mais protestos violentos podem ser esperados em um país onde o descrédito com os poderes políticos estabelecidos é generalizado”.
A Reuters também destaca que as acusações de corrupção “atingiram fortemente os mercados financeiros em função das dúvidas sobre se o Congresso irá aprovar as medidas de austeridade destinadas a tirar o país da pior recessão de sua história” e lembra que Temer pode ser destituído do cargo pelo Tribunal Eleitoral, no dia 6 de junho, quando o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) irá julgar ação que pede a cassação da chapa Dilma-Temer.
E prossegue: “Os partidos dos principais aliados de Temer estão divididos entre abandonar sua coalizão imediatamente ou, primeiro, chegar a um acordo em torno de uma figura de consenso para substituí-lo e salvar seu projeto de reformas. As medidas favoráveis ao mercado são consideradas vitais para restaurar a credibilidade das empresas e o investimento necessário para acabar com uma recessão de dois anos”.
Por fim, lembrando que “não há nenhum candidato claro para substituir o presidente sob ataque”, o artigo destaca que, fora do prédio do congresso, contudo, “a mensagem cantada pelos manifestantes era bem clara: “Fora Temer! Eleições gerais, já!”.
Bloomberg: A empresa sediada em Nova York é um dos principais provedores mundiais de conteúdo para o mercado financeiro, com terminais de informações presentes em quase 100% dos bancos, fundos de investimentos, corretoras e seguradoras no mundo, o que faz dela uma das principais porta-vozes dos interesses do grande Capital e dos investidores estrangeiros.
Sob a manchete “Prédio ministerial brasileiro é incendiado quando protestos se tornam violentos” e o subtítulo “Protestos violentos contra Temer sacodem o mercado”, o site da investidora apresenta um vídeo com uma entrevista com Hernan Yellati, Diretor do Departamento de Estudos Estratégicos da Barclays Investiments (um banco multinacional e empresa financeira, sediado na Inglaterra). E a primeira pergunta que lhe é feita é bastante significativa e dá o tom para a entrevista: “Qual é a probabilidade de que Temer renuncie ou que seja obrigado a renunciar?” (pergunta que permanece no ar, como legenda, durante quase todos os seis minutos da entrevista).
A resposta: “Eu acredito que a pressão continuará a aumentar, como nós vimos na semana passada (…). Nós achamos que isto é um cenário ruim para a economia; é um cenário ruim para as reformas” que, obviamente, são defendidas pelo representante da Barclays.
Na sequência, uma das entrevistadoras, em tom bastante irônico, comenta que, mesmo que a Suprema Corte prove a culpa de Temer nos escândalos de corrupção, não é muito provável que Temer sofra um impeachment, em função, nas palavras dela, “das, digamos, características próprias do Congresso brasileiro”, o que leva Yelatti a afirmar: “Eu acho que o impeachment é o cenário menos provável (…). Eu acho que ou a Suprema Corte toma uma decisão contra o presidente ou haverá uma renúncia e, neste caso, haverá eleições indiretas, feitas no Congresso, e o principal evento será em outubro de 2018, quando o Brasil terá eleições gerais”.
Comentando que isto parece um tempo muito longo para que se chegue a uma decisão, as apresentadoras apresentam gráficos destacando a entrada e saída de capitais do país, que, na análise do investidor, mostram que a “questão chave, no momento, é a volatilidade [instabilidade]” e que o mercado continuará instável enquanto se espera pela renúncia ou por uma decisão da Suprema Corte, concluindo com uma afirmação contundente: “Obviamente, uma renúncia seria um acontecimento positivo e todo mundo está vendo isto como o cenário mais provável”, mas se isto significar um atraso ainda maior na agenda das reformas, isto levará a mais efeitos negativos pela frente.
No restante da entrevista, comentando dados sobre a desvalorização do Real e outros aspectos econômicos, o representante da Barclays defende a Reforma da Previdência como um dos aspectos fundamentais para dar segurança aos investidores estrangeiros.
New York Times: um dos principais jornais dos Estados Unidos trouxe como manchete “Presidente do Brasil convoca as tropas federais para reprimir protestos”, comentando que a decisão foi tomada depois do presidente ter sido “sitiado por protestos” pedindo por sua saída.
Citando fontes oficiais, o jornal noticiou que a manifestação contou com a participação de 35 mil pessoas motivadas principalmente pela divulgação das gravações da JBS que fizeram com que houvesse “acentuada queda no mercado financeiro brasileiro” e detonaram “uma investigação de Temer e apelos generalizados para que ele renuncie”.
Mencionando a evacuação dos prédios ministeriais e a suspensão das sessões no Congresso, o jornal fala sobre os violentos confrontos com a polícia e destaca que manifestantes foram feridos pelas bombas de gás ou balas de borracha (também nas manifestações que ocorreram no Rio de Janeiro).
Além disso, o NY Times destaca a impopularidade das reformas apresentadas por Temer, a realização da greve geral em abril e o fato de que o presidente está numa ofensiva contra os delatores da JBS, acusando-os de terem adulterado e manipulado as gravações.
Citando o professor de Ciências Políticas da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Jairo Nicolau, o jornal destaca que protestos como os do dia 24 de maio podem se agravar: “Eu vejo estas manifestações como uma radicalização que irá se tornar ainda mais séria. Há uma enorme insatisfação”.
O também britânico, The Guardian, ressalta que
“Michel Temer está se recusando a renunciar, enquanto
 os protestos contra a sua permanência  no governo
 estão levando a confrontos físicos com as forças policiais."
The Guardian: Um dos principais jornais da Grã-Bretanha reproduziu o conteúdo distribuído pela agência internacional de notícias Associated Press. No artigo, intitulado “Presidente do Brasil luta para se manter no poder na medida em que a crise política se aprofunda”, é destacado que “Michel Temer está se recusando a renunciar” enquanto os protestos contra a sua permanência no governo estão levando a confrontos físicos com as forças policiais.
Lembrando que “mesmo antes dos escândalos virem à tona, a popularidade de Temer já estava em baixa, em parte em função da oposição às reformas econômicas”, o jornal destaca que vários de seus assessores foram pegos pelas investigações que já levaram lideranças empresariais e políticos de destaque para a cadeia.
O jornal também destaca que somente um dos cinco assessores especiais de Temer continua no cargo depois que Sandro Mabel (do PMDB de Goiás), igualmente envolvido em denúncias de corrupção, pediu exoneração, na véspera do protesto, alegando motivos familiares
Referindo-se aos protestos em Brasília como um “esforço pra barrar as reformas”, onde os manifestantes “gritavam ‘Fora Temer!’ e carregavam cartazes exigindo eleições presidenciais diretas imediatamente”, o artigo também descreve a repressão: “Policiais com equipamentos antimotim, alguns a pé, com escudos, e outro a cavalo, se alinharam próximos ao congresso. Nas imagens da TV, a polícia pode ser vista jogando gás lacrimogêneo e de pimenta contra os manifestantes e detendo outros que tentavam romper o cordão”.
Em um editorial (ou seja, num texto que expressa a opinião do jornal), publicado no dia anterior e intitulado “O ponto de vista do The Guardian sobre a corrupção no Brasil: o povo merece se expressar”, o jornal defende que, diante do crescente escândalo, “uma solução política rápida não resolverá os problemas” e faz uma análise da Operação Lava-jato e da atual situação de Temer.
Em um dos trechos, o jornal afirma que “Temer nega ter feito qualquer coisa de errado, insistindo que as gravações foram adulteradas e dizendo que renunciar seria uma admissão de culpa”, mas que, na verdade, outras “considerações estão, sem dúvida, pesando sobre sua cabeça – particularmente o fato de que ele iria perder as proteções legais”, que tem como presidente.
Depois de se referir a vários aspectos da Operação, desde a saída de Dilma, e afirmar que “a política brasileira tem sido inteiramente desacreditada”, o jornal traz a seguinte conclusão, referindo-se à capacidade de resolução da crise, seja através do Congresso Nacional ou do judiciário: “Muitos legisladores (parlamentares) têm segredos próprios para esconder e alguns já se queixam de que a investigação tem sido ruim para a reputação e a economia do Brasil”, o que tem feito que alguns busquem uma saída através da tentativa de “de persuadir o presidente a renunciar”.
E continua: “Mas o problema é o escândalo, não o inquérito, e será muito pior para o Brasil se ele for abafado. Os legisladores (parlamentares) também não deveriam escolher o substituto de Temer, pois foram eles que o escolheram e as pesquisas mostram uma demanda esmagadora por eleições. Um público já desencantado pode, de outra forma, afundar-se na apatia ou, a longo prazo, recorrer a uma figura autoritária de extrema-direita como Jair Bolsonaro, que joga o cartão da anti-política. Os políticos brasileiros jogaram o país nesta bagunça. Agora, deveriam deixar que os 143 milhões de eleitores tivessem uma palavra a dizer sobre como sair dela”.
ABC News: A agência que distribui conteúdo para jornais e emissoras de televisão nos Estados Unidos noticiou que “Tropas são chamadas na capital do Brasil. Presidente sob pressão”, relatando que o decreto autorizando colocar soldados nas ruas foi cancelado na quinta-feira, depois de críticas à decisão considerada “excessiva e meramente como um esforço para [o presidente] manter-se no poder enquanto há uma crescente exigência para que ele renuncie”.
O artigo, que fala em 45 mil pessoas nos protestos de quarta, refere-se ao incêndio em dois ministérios, à evacuação dos prédios federais, aos 49 feridos, “incluindo um a bala” e afirmando que “a popularidade de Temer está em queda livre desde que ele assumiu o poder”, em uma situação em que “alguns brasileiros consideram sua presidência ilegítima, devido à forma em que ele chegou ao poder e seus esforços para passar uma série de reformas econômicas para limitar o orçamento, afrouxar leis trabalhistas e reduzir os benefícios previdenciários fizeram dele uma figura ainda mais impopular”, para além das denúncias de corrupção envolvendo vários de seus assessores.
Destacando que “muitos brasileiros querem que o presidente saia de um jeito ou de outro e estão exigindo que ele renuncie ou sofra um impeachment”, o artigo relata os vários pedidos, neste sentido, encaminhados para o congresso, particularmente o feito pela Organização dos Advogados do Brasil (OAB).
No final, a ABC News ressalta que “alguns observadores estão preocupados com o fato de que, se Temer conseguir continuar na presidência, a crise política irá levar o governo brasileiro à paralisia exatamente no momento em que a o país tenta sair de uma profunda recessão”.
EFE: A principal distribuidora de serviços de informação para os países de língua espanhola traz um vídeo mostrando a “destruição” de um dos prédios ministeriais de Brasília sob a manchete “Violência explode durante protestos em Brasília e no Rio de Janeiro”, destacando que, na capital, a polícia “usou gás lacrimogêneo para conter dezenas de milhares de manifestantes que marcharam, na quarta-feira, para exigir a renúncia do sitiado presidente do Brasil”.
Abordando vários aspectos da Operação Lava-Jato, das delações da JBS e do esquema de propinas que envolve Temer e seus dois predecessores imediatos, Lula e Dilma, a agência afirma que a possibilidade de “permanência de Temer no poder parece ser bastante frágil dado que ele perdeu o apoio de um poderoso parlamentar de seu próprio partido, o PMDB”, referindo-se ao senador Renan Calheiros que, segundo o artigo, teria declarado para uma estação de rádio, na quinta, que Temer deveria renunciar.
A emissora de rádio e televisão da Grã-Bretanha, BBC News,
 
destacou as fortes críticas feitas em relação à medida.
BBC News: A emissora de rádio e televisão da Grã-Bretanha trouxe como manchete “Temer revoga decreto de envio de tropas para Brasília”, destacando as fortes críticas feitas em relação à medida.
Le Monde: um dos mais importantes jornais da França noticiou: “Brasil: exército é utilizado contra manifestações em oposição ao presidente Michel Temer”. Apesar de, erroneamente, afirmar que a manifestação foi convocada por vários sindicados e pelo PT, o artigo destaca o ato pelo “Fora Temer” reuniu cerca de 35 mil pessoas (ou 100 mil, segundo os organizadores) “que semearam o caos em Brasília” e cita o analista político da Consultoria Hold, André César, comentando o decreto que autorizava o envio do Exército: “é uma medida extrema que demonstra que o governo perdeu o controle”.
De linha editorial conservadora, o francês Le Figaro destaca
 que no “Brasil: as ruas querem a saída do presidente

O jornal ainda lembra que, colocado “no centro de graves acusações de corrupção, o presidente tenta se agarrar ao poder, tentando evitar a deserção de seus aliados políticos. Mas as negociações foram interrompidas por causa do caos em todo o Congresso, onde os parlamentares podiam ouvir as explosões de granadas de efeito moral na frente do prédio do Legislativo.”
Afirmando que as “exigências para que o chefe de estado se demita estão se multiplicando” e o que o presidente rejeita firmemente esta opção o artigo lembra que, no entanto, a continuidade de Temer no poder está “ameaçada em função de uma possível ruptura na sua coalizão”, além dos processos que correm no Supremo e dos vários pedidos de impeachment.
O artigo também destaca a crise está atrasando a implementação das reformas e tem produzido estragos na economia, dando como exemplos a queda das ações na Bolsa de Valores e a desvalorização do Real.
Le Figaro: Reproduzindo material distribuído pela Agence France-Presse (AFP), a principal agência de notícias em língua francesa, o jornal traz a manchete “Brasil: as ruas querem a saída do presidente”, destacando que a exigência para que Temer renuncie tem ganhado força diante das graves acusações de corrupção e a rejeição às propostas de reformas apresentadas pelo governo.
O espanhol El Pais trouxe uma sequência de fotos do confronto com a
 polícia e destaca que “o presidente brasileiro foi acusado de obstrução da justiça
El País: Sob a manchete “Uma manifestação multitudinária exige, em Brasília, o fim do governo Temer” o site do jornal espanhol destacou que “o presidente brasileiro foi acusado de obstrução da justiça e o Supremo está considerando condená-lo por corrupção”. Além disso, apresentando uma sequência de fotos do confronto com a polícia, o El País afirma que os protestos chegaram a paralisar a sessão da Câmara dos Deputados e que a decisão de colocar o Exército nas ruas causou críticas, dentro e fora do governo, sintetizando o dia 24 de maio em uma frase: “A tensão devido à crise política no Brasil balançou o coração político do país, convertido em campo de batalha”.
Em uma outra matéria publicada no final da noite juntamente com um vídeo sob o título “Os protestos contra o presidente Temer paralisam o governo do Brasil” , o jornal sintetiza o clima em Brasília: “Convocadas por sindicatos, movimentos sociais, dezenas de milhares de pessoas tomaram Brasília no início da tarde de quarta para protestar contra as reformas liberais do governo e exigir a renúncia do presidente Temer, que está sob suspeita de graves delitos de corrupção. Foi um dos maiores protestos dos últimos anos na capital do país, na imensa Esplanada dos Ministérios. Tudo acabou em uma paisagem quase bélica, com colunas de fumaça preta, pedras e balas de borracha voando em meio ao som de detonações de fuzis.”
O periódico argentino registrou na véspera das manifestações que
 “Debilitado, Michel Temer não consegue com que o Senado vote leis-chaves”.
El Clarin: O jornal argentino destacou “Michel Temer envia as Forças Armadas para conter a violência em Brasília”, noticiando que a multidão com cerca de 35 mil pessoas saiu de forma ordeira do estádio Mané Garrincha, mas foi detida por uma barreira, quando “a polícia começou a jogar gases lacrimogêneos” e também a disparar balas de borracha que ferindo vários manifestantes.
No dia anterior, em uma matéria intitulada “Debilitado, Michel Temer não consegue com que o Senado vote leis-chaves”, o jornal argentino destacou: “A continuidade do presidente brasileiro, Michel Temer, com uma sobrevivência mais prolongada do que se imaginava no início, tem seus reflexos não só na economia como também na vida parlamentar”, destacando como a tentativa de votar aspectos das reformas Trabalhista e Previdenciária, em comissões do Senado, acabaram em pancadaria.

O jornal cita um senador, sem identificá-lo, que teria afirmado que “este é o retrato de um governo que não pode se sustentar mais e precisa que se façam sessões e que se vote a toda a  velocidade, sem nenhum debate” para concluir que “o certo é que Temer nem sequer contar, no Senado, com todos os parlamentares de seu partido”, dando como exemplo Renan Calheiros (o líder do PMDB) que teria declarado: “É incrível que um governo com este nível de rejeição queira fazer uma reforma fundamental de forma unilateral. Isso não vai ocorrer. Não pode acontecer”.

*Graduado em História e Mestre em Ciências da Comunicação/Cinema  é professor universitário de História da Arte e Metodologia do Ensino de História.

terça-feira, 6 de junho de 2017

Livro analisa o isolamento e o preconceito em torno da Lepra no Brasil

Por Daniela Arbex

Praga e isolamento perpétuo cercam uma simples palavra que designa uma doença por todos temida: a lepra. Durante milênios, o leproso foi isolado da sociedade, abandonado para ser morto em florestas e cavernas, deteriorado a tal ponto que simplesmente olhá-lo era considerado mau agouro. 
Vinda da Ásia e do Oriente Médio, a doença penetrou na Europa devido às conquistas de Alexandre, o Grande, e às jornadas orientais das cruzadas pró-cristianismo. A discriminação e o medo sempre a cercaram. 
No Brasil, a lepra chegou marcada por todos os antecedentes negativos e não teve destino diferente. A cura da doença surgiu nos anos 1940, mas o isolamento compulsório em leprosários prosseguiu até 1986. 
Os resultados do preconceito se firmaram na sociedade a ponto de, mesmo curados, os ex-leprosos carregarem o estigma para todo o sempre. Libertos, continuaram presos às dificuldades. Até hoje buscam familiares que ficaram perdidos por causa dos anos de isolamento social. 
São profissionalmente rejeitados e ainda temidos por muita gente não saber que a lepra — denominada “hanseníase” a partir dos anos 1960 — é uma doença como outra qualquer, com tratamento e cura. Em uma conversa com Artur Custódio, coordenador do Morhan (Movimento de Reintegração de Pessoas Atingidas pela Hanseníase), a repórter Manuela Castro, da TV Brasil, descobriu realidades tristes dos doentes e dos antigos leprosários, que funcionavam como verdadeiras cidades autônomas, cercadas e isoladas do resto do mundo. 
Essas descobertas foram divulgadas no programa Caminhos da Reportagem, no episódio “Hanseníase, a história que o Brasil não conhece”, que foi agraciado com o prêmio Jornalista Tropical e com a Menção Honrosa do Sindicato dos Hospitais, Clínicas e Casas de Saúde do Município do Rio de Janeiro. 
A partir do programa, Manuela idealizou este livro, que traz, com fartas ilustrações e depoimentos ora comoventes ora alarmantes, toda a realidade das famílias desintegradas, das práticas desumanas e do preconceito que insiste em condenar os ex-internos ao isolamento social que já sofriam na Idade Média e nos tempos bíblicos.
Esses depoimentos, os inúmeros dados históricos e as reações dos doentes, que ainda sofrem com o estigma arraigado na sociedade, configuram um documento da maior importância, escrito com fluência e de fácil compreensão para todos os leitores. O poder de impacto dessa leitura poderá exercer efeitos bastante benéficos e esclarecedores sobre esse grande mal.
 
Leprosos expulsos da cidade de Bauru (SP), acampados
na beira da estrada, no início do século XX
Holocausto brasileiro
 
O medo envolve esta praga a partir do nome: lepra. Para vencê-lo, foi necessário vencer a palavra, substituindo-a por “hanseníase” no Brasil a partir dos anos 1960. Palavra que carrega um significado de pavor e isolamento inumano desde milênios, atravessando a Bíblia, a história do Oriente Médio, da Ásia e da Europa, atingindo indiferentemente reis e pobres da mais baixa classe, ela abriga uma doença que passou a ter cura nos anos 1940. Mas o Brasil, com seu atraso científico e social, ignorou ou subestimou isso. O pavor brasileiro se espalhou facilmente entre as políticas de saúde, os médicos interessados apenas em lucro, a ignorância, a pobreza, as regiões desassistidas e as famílias em pânico. Conheça esse contexto e depoimentos alarmantes acerca de uma realidade ainda presente no país, neste livro documento da repórter Manuela Castro. É outra das muitas pragas que o Brasil ainda não venceu.

A Autora

Manuela Castro é apresentadora e repórter da TV Brasil desde 2008. Com experiência em coberturas especiais no Brasil e no mundo, recebeu diversos prêmios com o programa Caminhos da Reportagem. Além de duas premiações com o episódio “Hanseníase, a história que o Brasil não conhece”, também foi agraciada com os prêmios Sebrae de Jornalismo, Ministério do Meio Ambiente e CNBB de Comunicação.
 
 
“Quando o silêncio e o preconceito se unem o resultado é a chaga do esquecimento. Neste livro, Manuela Castro dá visibilidade ao drama de brasileiros que foram condenados à exclusão por causa da hanseníase, doença que atravessou a vida de milhares de pessoas, criando um abismo entre elas e suas famílias. Ao resgatar o drama dos leprosários no Brasil, a jornalista desvenda uma realidade surpreendente, na qual o mal não é a doença, mas a forma de a sociedade lidar com ela.”  

Livro: Literatura infanto-juvenil é tema de análise da jornalista Graça Ramos

Graça Ramos lança livro de reflexão e referência para pais e educadores

A jornalista e escritora Graça Ramos lança seu mais novo livro “Habitar a Infância: como ler literatura infantil“, no próximo dia 6 de junho, no Carpe Diem (104 sul). Mestre em Literatura e doutora em História da Arte, ela reuniu todo o seu instrumental teórico e experiência pessoal para preparar uma obra que é pura declaração de amor à leitura e aos pequenos leitores. Publicado pela Tema Editorial, o livro reúne textos dedicados à literatura infantil e juvenil. Mais do que um guia para os chamados intermediários – aqueles que se colocam entre o livro e a criança – Graça buscou envolver os adultos no jogo de imaginação e sentidos proposto nas obras que abordou.

Os 68 textos que assina, publicados originalmente no blog “A pequena leitora”, não subestimam, em nenhum momento, a inteligência e a complexidade das crianças a que se destinam as obras analisadas. Sua linguagem coloquial e envolvente convida os leitores a visitarem temas variados, leves ou densos, que tanto podem ser sugestões de leitura para as férias da criançada como uma delicada incursão pelo tabu da morte. Cada artigo é pontuado por livros relacionados ao principal tema abordado, o que torna “Habitar a Infância” de uma riqueza bibliográfica singular.

O cardápio é bem variado. São mais de 300 obras de literatura infantil organizadas nas referências bibliográficas completas que compõem a edição. O índice onomástico é outro recurso inserido no livro para facilitar a experiência dos pais e educadores em busca de autores que possam enriquecer e diversificar o universo infantil. “Quisemos oferecer orientação, sempre valorizando a inteligência do adulto e da criança”, explica Graça Ramos, que ilumina com seu olhar crítico e amoroso os textos literários que comenta. 

“Concentração e fruição”

Na era da comunicação digital, o fascínio que as telas exercem sobre as crianças e jovens pode ser melhor equilibrado com o estímulo à leitura de livros impressos, um formato que se modernizou e também tem seus trunfos para atrair atenção. As imagens coloridas e inteligentes que costumam acompanhar as boas publicações de literatura infantil merecem atenção especial da autora, até por sua formação em História da Arte. No mundo conectado e dispersivo em que vivemos, a leitura é ato de “concentração e fruição”, observa a autora.  

Uma sugestão valiosa que ela apresenta aos adultos é que não imponham a leitura às crianças. De maneira diferente da educação formal nas escolas, o ambiente familiar deve ser estimulante para conquistar a adesão das crianças à leitura. Dispor livros nas prateleiras mais baixas das estantes para que os pequenos possam alcançá-los e se interessar pelas obras é também bom começo para uma jornada de descobertas. Aproximar o objeto-livro das crianças, desde bebês, é o caminho mais recomendado.

Na visão de Graça Ramos, não se trata de induzir os pais a uma visão utilitarista da leitura, como se interessasse apenas formar futuros profissionais bem-sucedidos. O que ela quer mesmo é liberar o imaginário infantil, deixar que as mentes levantem voo graças a textos e imagens irresistíveis. Reconhecidas em toda sua complexidade existencial, as crianças podem encontrar na leitura caminhos para entender a diversidade do mundo e construir um repertório que lhes permita alcançar toda sua potencialidade como cidadãos.

Os quatro capítulos que compõem o livro reservam um olhar atento também às políticas públicas voltadas para a educação do público infantojuvenil. Graça Ramos aponta a carência de bibliotecas especializadas nesse segmento e a ausência de espaços conhecidos como “bebetecas”, comuns em países desenvolvidos e destinados aos muito pequenos. A palestra que proferiu na Academia Brasileira de Letras sobre a nova crítica da literatura infantojuvenil é o fecho de um livro que representa um presente a todos que se interessam pela melhor formação das crianças brasileiras.


Ficha técnica
TítuloHabitar a infância: como ler literatura infantilAutora: Graça RamosCapa, ilustrações e projeto gráfico: Sérgio LuzEditora: Tema Editorial

sábado, 15 de abril de 2017

IBGE seleciona doze jornalistas e outros comunicadores para o Censo Agropecuário

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou no Diário Oficial da União da segunda-feira, 10 de abril, o edital de processo seletivo (Processo seletivo IBGE 2017) para os cargos de Analista e Agente Censitário. De acordo com o documento, são doze vagas para jornalistas, duas para Produção Gráfica – Editorial (2 vagas), e doze vagas para Programação Visual – Webdesign. O salário será de R$ 4.000,00. distribuídas em diversas especialidades com requisito de nível médio e superior.

Os aprovados serão contratados por tempo determinado para atuação no Censo Agropecuário ainda em 2017. Do quantitativo de vagas oferecidas, 20% serão reservadas aos negros/pardos e 5% aos portadores de necessidades especiais.

Além dos salários citados, os candidatos terão direito a auxílio-alimentação, transporte, férias e 13º salário. A jornada de trabalho será de 40 horas por semana. Os contratados podem ser assinados por até 13 (treze) meses de duração.

Inscrição 

Os interessados em concorrer a uma das vagas no processo seletivo IBGE 2017 poderão se inscrever entre 14 horas do dia 10 de abril às 23 horas e 59 minutos do dia 09 de maio de 2017, no endereço eletrônico oficial da organizadora – FGV . A taxa de inscrição custará entre R$ 27,00 e R$ 78,00.

Avaliações

Após o término das inscrições, os candidatos serão avaliados por provas objetivas, de caráter eliminatório e classificatório, a serem aplicadas no dia 02 de julho de 2017, turno da tarde (13h às 17 horas). Os locais de provas serão informados no dia 26 de junho.

A prova objetiva será composta por 50 (cinquenta) questões de múltipla escolha, numeradas sequencialmente, com 05 (cinco) alternativas e apenas uma resposta correta. Os gabaritos oficiais preliminares serão divulgados no dia 04 de julho, enquanto o definitivo sairá no dia 26 do mesmo mês, no site já citado.

Para mais informações e acessar o edital completo, clique aqui.